Representantes Comercial: Pr Gilmar (31) 98719-4997 Eng° Moysés | (31) 3827-2297 | (31) 9 8428-0590 valeonbrasil@gmail.com

Presença de doulas junto às mães pode ser assegurada por lei municipal

Presença de doulas junto às mães pode ser assegurada por lei municipal

Projeto tramita na Câmara de Ipatinga e é defendido por mulheres e profissionais

Em tramitação na Câmara de Ipatinga, o Projeto de Lei 143/2019 pode assegurar a presença de doulas junto às mães nas maternidades, casas de parto e estabelecimentos hospitalares congêneres da rede pública e privada da cidade. Elas dão suporte físico e emocional à outras mulheres antes, durante e após a gestação. Durante reunião da Comissão de Legislação, Justiça e Redação, na tarde desta terça-feira (26), o PL recebeu parecer de constitucionalidade da equipe técnica, acompanhando de perto por mulheres que apoiam a causa e também por profissionais da área. A matéria é de autoria da vereadora Lene Teixeira (PT). A doula Rafaella Rocha de Souza explicou ao Diário do Aço que o projeto de lei foi construído coletivamente e pretende que o hospital local permita a entrada das doulas, de escolha da mulher. “A doula é a profissional que começa o acompanhamento desde a gestação. Construímos um vínculo e ajudamos essa mulher a se informar, das escolhas que ela poderá fazer durante o trabalho de parto e o pós-parto. O que pedimos nesse projeto é que a nossa entrada seja permitida, não substituindo o acompanhante, que é permitido por uma lei federal, tampouco o marido, a mãe, ou irmã. Ela é uma profissional que faz um trabalho em equipe, conjuntamente a essas pessoas, inclusive com o hospital”, pondera. Rafaella acrescenta que a Organização Mundial de Saúde e o Ministério da Saúde recomendam o trabalho das doulas, o que já é permitido em várias cidades do Brasil. “Precisamos de uma lei municipal, ou estadual, como é o caso de Santa Catarina, que obrigue o hospital a permitir nossa entrada. Até então os hospitais não são obrigados a nos deixar entrar, às vezes permitem, outras não. Na maioria dos casos temos que revezar com o acompanhante e isso não é legal para a mulher, que está fragilizada naquele momento. Nosso trabalho tem vários benefícios, encurta o tempo do trabalho de parto, a mulher pede menos analgesia, tem uma experiência mais positiva e recebe apoio e incentivo. É um trabalho reconhecido mundialmente”, pontua. Presença antiga A profissional recorda que essa figura sempre existiu na cena do parto, representada pelas avós, que pariam em casa, com mulheres da comunidade e que faziam o papel da doula. “É um papel milenar. Doula é uma palavra grega que significa ‘mulher que serve’, hoje temos um cenário diferente, virou uma coisa hospitalar, com a entrada dos médicos e essa mulher perde muito do protagonismo, de fazer o parto ser o momento dela, porque na verdade um parto normal, de uma gestação de risco habitual, quase não precisa do que o hospital oferece. A mulher faz o parto junto com o bebê, eles trabalham juntos. Essa coisa de humanização do parto é pelo óbvio, queremos o protagonismo da mulher, no momento que é fisiológico dela e do bebê, que sempre foi um momento familiar e se transformou em algo medicalizado, controlado. E a doula vem para resgatar um pouco daquele carinho individual, daquela atenção, de trazer para aquela mulher um conforto de pessoas que ela conhece e que vão acolhê-la. O PL 143 nada mais é do que uma tentativa de avançar na pauta da humanização do parto aqui no Vale do Aço. Pedimos aos vereadores que pensem e vejam com carinho a nossa proposta”, pediu. Acompanhamento também no pós-parto Karine Melo Oliveira é mãe, teve acompanhamento de uma doula em sua gravidez e também no pós-parto. “Ela esteve comigo no fim da gestação, pois eu não tinha conhecimento do que era, mas me ajudou muito. Ela me auxiliou nesse acompanhamento. No parto não tive essa presença e isso acabou gerando uma cesariana desnecessária. No meu pós-parto foi importante no sucesso de amamentação, que foi um momento de dificuldade. Ter a doula ao meu lado foi fundamental para eu conseguir amamentar minha filha até um ano e quatro meses de idade”, conta. Para Karine, a gestação é um momento de fragilidade da mulher, que tem vários papéis a exercer na sociedade atual. “É um suporte psicológico e também físico, porque te ajuda com exercícios e prepara para o parto. Às vezes pensam que é frescura porque não tem conhecimento do real papel e não entendem o que ela faz. Hoje existem muitas mulheres solitárias, que vivem a maternidade sozinhas. Perdemos essa vila de mulheres. Antes tínhamos a mãe e a avó em volta, mas isso mudou. Temos uma mulher solitária e que vivencia isso assim. A doula vem nos ajudar a resgatar esse apoio para a mulher, nesse período tão especial”, conclui. (Repórter – Bruna Lage)
Fonte: Diário do Aço

 2 total views,  1 views today

Compartilhe com sua rede!